30 Anos da PMM

Dia 13 de junho de 2024, Dia de Santo Antônio, foi comemorado o 30º aniversário de existência da Pastoral da Mulher Marginalizada (PMM).
No começo dos anos 90, algumas missionárias católicas vieram dar uma palestra sobre o trabalho que realizavam junto às mulheres em condição de prostituição e sujeitas à exploração sexual na Europa.
Posteriormente, baseada nesse projeto, Maria Rosely Rodrigues Pinheiro e Cândido ou apenas “Rosely”, e Antônio Carlos de Souza Cândido ou simplesmente “Carlinhos”, como ele gostava de ser chamado, um valoroso casal católico, sensibilizados pela marginalização, preconceito e abandono das pessoas em condição de prostituição na cidade de Rondonópolis, apresentaram ao Pe. Gunther uma proposta de uma Pastoral, que tinha a finalidade de levar alento e conforto àquelas pessoas através da palavra de Deus. Assim, com o apoio decisivo do Pe. Gunther, começaram a história da Pastoral da Mulher Marginalizada (PMM) em 13 de junho de 1994, sob os auspícios da Diocese de Rondonópolis.
As Orações se somaram às palestras sobre DST’s ( doenças sexualmente transmissíveis ) com vistas à redução de danos, que contou com uma rede de apoio, que se somou a novos projetos e ações, integrando a exploração sexual, a violência contra a mulher e o tráfico de seres humanos.
Como parte das comemorações do 30º ano de existência da PMM, foi realizada uma missa em ação de graças, na catedral Santa Cruz presidida por Dom Maurício, Bispo Diocesano de Rondonópolis – Guiratinga e concelebrada pelos Pe. Coubo, Pe. Luan e Pe. Gunther. Na ocasião compareceram a maioria dos membros da equipe atual da PMM, além da Sra. Rosely. e Pe. Gunther. Foi uma missa marcada por homenagens e muita emoção.
Em sua homilia, Dom Maurício destacou: “…o sentido da nossa fé cristã, que tem implicações na nossa vida prática, na nossa vida diária, na sociedade, na nossa vida pessoal, na vida familiar, na nossa atuação na sociedade, a fé tem implicações. Não basta saber. É preciso crer e não basta crer, tem que viver. Eu creio que isto, a Pastoral da Mulher Marginalizada entendeu bem e esta é a motivação principal de todas as pastorais…”. Parabenizou e agradeceu a disponibilidade e o empenho de todos que atuaram e atuam na PMM.

Após uma bela celebração e antes da benção final, algumas pessoas deram seu testemunho sobre a ocasião.
A Sra. Rosely agradeceu a todos que a ajudaram a realizar um forte desejo que nutria desde a sua adolescência e concluiu: “Meu tempo já passou, meu trabalho já foi feito. A PMM tem agora uma nova Coordenadora. Mas eu estarei sempre disponível para ajudar no que for preciso.”
O Pe. Gunther, de forma emocionada, deu um belo testemunho sobre sua vocação e seu compromisso assumido com Jesus e seu evangelho, no qual destacou: “…eu não pensei em converter essas mulheres. Simplesmente estar presente. Nada fazer. Estar lá, aprender a vida delas e como já falei, né? Através da Rosely continuou até hoje e o grupo ao redor da Rosely até hoje e continuar essa missão. Eu quero agradecer a Deus que na nossa Diocese tinha essas iniciativas e a Diocese está presente nas pessoas marginalizadas. Isso tem que ser o traço da nossa Diocese!”

Após a missa, a PMM e parceiros ofereceram um maravilhoso jantar, durante o qual a Sra. Rosely foi homenageada pela equipe com uma bela placa, em agradecimento pelos 30 anos de dedicação.

Por Dr. Bias Leão